Quando verificar balanceamento, alinhamento e cambagem?

Esqueça a regra de que balanceamento e alinhamento devem ser feitos sempre juntos. E até o ajuste da cambagem é mais complicado do que parece

Deve-se checar a o alinhamento a cada 10.000 km (Divulgação/Honda)

Você chega ao autocenter e vê uma faixa com a promoção para alinhamento de direção, balanceamento de pneus e ajuste de cambagem. Se ficou a impressão de que tudo deve ser feito junto, muita calma nessa hora.

A grande maioria dos fabricantes de automóveis recomenda a verificação do balanceamento e do alinhamento a cada revisão de 10.000 km. Mas todos ressaltam: a execução de um serviço não implica na realização do outro.

Já a cambagem é um serviço complexo, que mexe com parâmetros de construção do carro. Pode ser verificada, porém não deve ser feita em qualquer loja, tampouco serve de pré-requisito para os outros dois serviços. Aprenda para que cada um serve e quando deve-se procurar a oficina.

Balanceamento e alinhamento têm que ser feitos na sequência?

Não obrigatoriamente. O que se recomenda é que na execução de um serviço verifique-se os parâmetros do outro. “Isso é avaliado caso a caso, conforme o cenário do veículo. Ou seja, pode ser que o carro precise passar por balanceamento para correção de algum desgaste do pneu e não tenha a necessidade de alinhamento”, explica o gerente sênior de pós-venda da Mercedes-Benz, Alexandre Ayres.

Por que esses serviços são necessários?

O uso do carro provoca desgaste normal e gera a perda de parâmetros de balanceamento e alinhamento, principalmente para quem trafega muito com o veículo e em ruas esburacadas. “Essas irregularidades levam às perdas de regulagens desses sistemas e até ao desgaste”, explica o professor de engenharia mecânica do Ibmec-RJ, Paulo Roberto Rocha.

O que o balanceamento faz?

Os pneus podem apresentar variação do diâmetro (Eduardo Campilongo/Quatro Rodas)

Por terem muita quantidade de borracha, os pneus podem apresentar variação do diâmetro, provocando a trepidação que se transmitirá pela suspensão e refletirá no volante do veículo. O balanceamento compensa essa variação com contrapesos de chumbo na banda de rodagem.

Quando devo balancear as rodas?

Se você trocou os pneus ou fez rodízio, é necessário balancear as quatro rodas. Queda em buracos também podem contribuir para deformações e variações na borracha. Outra indicação é se o automóvel apresenta trepidação fora do normal acima de 30 km/h. Em caso de dúvidas, o manual do proprietário informa sobre os períodos de verificação.

O que o alinhamento faz?

No popular, ele acerta o volante em relação à comunicação precisa com as rodas. “O alinhamento vai permitir que o volante fique perfeitamente centralizado, sem que o veículo puxe para um lado ou outro.

Um cuidado importante é que o alinhamento da direção deve ser feito com os pneus corretamente calibrados”, adverte Francisco Satkunas, conselheiro da Sociedade de Engenheiros da Mobilidade (SAE Brasil).

E quando sei que é preciso fazer o alinhamento?

Se a direção puxar para a esquerda ou a direita, é sinal de desalinhamento. Uma dica é, em um lugar amplo, plano e vazio, acelerar o carro até 20 km/h e soltar a direção rapidamente para ver se o carro puxa para um lado. Também é recomendável verificar após uma batida mais forte das rodas em algum buraco ou meio-fio.

O que é cambagem e quando sei que preciso fazer?

No “engenheirês”, é a inclinação das rodas medida no eixo imaginário vertical, podendo ela ser negativa (as partes do pneu que tocam o chão estão inclinadas para dentro, com o carro visto de frente) ou positiva (para fora). A isso se dá o nome de ângulo de câmber, parâmetro importante para o comportamento dinâmico do carro, que está diretamente ligado à estabilidade em curva.

“Antigamente os carros tinham regulagem de cáster, câmber e alinhamento. Os dois primeiros eram feitos com calços de várias espessuras. Hoje há carros com eixo de suspensão fixa, ou seja, só corrige-se o alinhamento. Em certos casos também há que se alinhar as rodas traseiras”, diz Satkunas.

Esses ângulos de inclinação podem ser alterados pelo desgaste normal, empeno ou até pela quebra de peças, como balanças, buchas e ponteiras do eixo. Isso pode ser conferido na oficina durante a verificação do alinhamento, por exemplo.

Em geral, são examinados também nas revisões programadas das montadoras. “A cambagem é uma das regulagens possíveis do alinhamento. Em alguns carros há a regulagem da cambagem, em outros a cambagem fora do especificado pode sinalizar outros problemas, como bandeja amassada, amortecedor comprometido, braços de controle e outros componentes da suspensão”, ressalta Ricardo Dilser, consultor técnico da FCA.

Nunca. Muitas lojas realizam esses serviços, mas os especialistas advertem que a geometria do ângulo de câmber até pode ser medida pelos equipamentos das oficinas, porém não há elementos que obedeçam rigorosamente os parâmetros corretos do fabricante.

Por essa razão, deve–se trocar as peças que apresentam problemas. “O que muitos fazem nos itens empenados é forçar indevidamente o desempeno com ferramentas. Isso muda as propriedades mecânicas dos materiais, podendo voltar a ter a alteração no ângulo de câmber mais rapidamente.

Ou, pior: fragilizar alguma peça e ela se quebrar, o que implicará em segurança”, ressalta Paulo Roberto Rocha.

A cambagem é obrigatória ao se fazer balanceamento e alinhamento?

Não. Problemas na cambagem podem ser detectados no alinhamento, mas não é obrigatório “fazer cambagem” só porque você fez um serviço ou outro. Como dito, esse procedimento implica em troca de peças que afetam o ângulo de câmber.

Por: Quatro Rodas

Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
Nenhum tag.
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square

Deltabat Baterias

 

Loja 1

Av. Dr Alberto Sarmento, 772

Bonfim - Campinas - SP

Tel (19) 3243-3746

Loja 2

Rua Plínio Pereira Neves, 155

Vila Marieta - Campinas - SP

Tel (19) 3236-2516